No Brasil, a data é celebrada no dia 20 de Novembro. Tem o intuito de fazer com que as pessoas reflitam sobre a inserção dos negros em nossa sociedade. Esse dia foi escolhido em homenagem a Zumbi dos Palmares, um personagem que dedicou toda a sua vida na luta contra a escravidão, bem no período em que o Brasil ainda era uma colônia.

Desde 2003, que esse dia é comemorado no Calendário Escolar de todo o Brasil. Uma lei que tornou obrigatória o ensino de diferentes áreas da história e da cultura Afrobrasileira, muito importante para conhecermos as nossas raízes. Alguns temas também são abordados nesse dia como a luta dos negros no Brasil e a cultura negra brasileira.

O Feriado

A data do feriado foi instituída em 2011, pela Presidente Dilma Rousseff. Mas é importante deixar claro que nem todas as cidades do Brasil instituíram feriado já que a lei sancionou a data como comemoração e não obriga que seja feriado. O feriado da Consciência Negra é comemorado em mais de 800 cidades do Brasil.

Por que a data?

O dia 20 de novembro é uma referência à morte de Zumbi, líder do quilombo de Palmares, que ficava entre dois estados, Alagoas e Pernambuco. Zumbi foi morto no ano de 1695, exatamente no dia 20 de novembro, por bandeirantes, liderados por Domingos Jorge Velho.

Essa data foi descoberta por historiadores no início da década de 1970, o que acabou motivando os membros do Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial, em um congresso, elegeram Zumbi como um símbolo da luta do direito dos negros.

A comemoração do Dia da Consciência Negra ser no dia da morte de Zumbi é a representação de um símbolo para os Movimentos Sociais, mas ainda existe muita polêmica, principalmente no mundo acadêmico, devido à questão da imagem de Zumbi e da história do Quilombo dos Palmares.

Por que existe o dia da Consciência negra

Livros que falam sobre Zumbi

O Quilombo dos Palmares, Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 3a ed., 1966. Edison Carneiro;

Zumbi dos Palmares, A História do Brasil que não foi Contada. Rio de Janeiro: Soc. Yorubana Teológica de Cultura Afro-Brasileira, 1988. Eduardo Fonseca Jr;

Palmares, a guerra dos escravos. Porto Alegre: Movimento, 1973. Décio Freitas.

Polêmicas

Muitas polêmicas rodeiam o assunto, mas o problema sobre como o assunto é abordado nas escolas é o principal, já que na lei instituída em 2011 se coloca os temas a serem abordados em aula. Cada professor e cada aluno tem uma visão do tema abordado. A pergunta que fica para reflexão é: Como falar da Consciência Negra no Brasil?

Conheça um pouco mais sobre ao Brasil, faça sua matrícula no curso de História do iPED.

Bons Estudos.